sábado, 31 de maio de 2008

Irmã.

É a segunda noite que ela passa em casa. Eu aqui na cama organizando a bolsa e agora escrevendo. Ela arrumando as malas. Falta-me coragem para falar ou perguntar alguma coisa. Inclusive me senti surpreendentemente desconfortável ao perceber como eu a tenho tratado de forma diferente. Ou seria indiferente? Sem querer, mas talvez por força maior das circunstâncias eu passei a ser, de fato, a menina velha e chata que ela acha que eu sou.
Sinto falta da minha irmã, mas já não é mais a falta de vê-la em casa para tomar banho ou de tê-la como companhia na hora de dormir. Sinto falta de ser uma irmã. E por falar nisso, onde está aquela irmã caçula que eu era? Deve estar no mesmo distante lugar onde está minha irmã mais velha. Aquela que era minha amiga, minha companheira, fonte de muitas inspirações e imitações. Aquela que me permitia ser também irmã. Agora está longe, "esquecida", esquisita.
Por ironia ou não quando coloquei o ponto final ela me pediu minha mochila emprestada. Eram, de fato, as malas, no plural. Aproveitando a oportunidade de quebrar de vez o incômodo silêncio perguntei: "você vai viajar?" Tremi e temi a resposta, mas graças a Deus a resposta foi: "sim". Ela vai viajar! Então vá com Deus minha irmã, pensei antes de dormir.

domingo, 25 de maio de 2008

Bloguear...

De fato esse tal blog tem sido um grade amigo! Mais do que deveria admito. Saudade das confissões aqui feitas. Quis tanto aqui ter escrito ontem. O feriado foi meio estranho, vários imprevistos aconteceram e por não ter a companhia de um pedaço qualquer de papel e um lápis, me senti angustiada, triste, sozinha. Vejam só! Justo no dia em que eu tive companhia de alguém num quarto cheio de animais de pelúcia. O macaquinho então! Teria voltado para minha casa com ele se eu pudesse. Lindo!
Certa estava a Cris em relação aos MP's (seja lá o número que for!).
Bem, o final da história é que eu consegui me sentir ainda mais estranha depois de tudo o que aconteceu esse feriado. Vou pensar melhor e depois eu conto o resto. Estou bem, mas quem sabe eu não me sinto melhor ao amanhecer?