quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

Roubaram o meu sono!

Não foi o livro.

Não foi o cachorro.

Não foi o calor.

Não foi o enjôo.

Não foi a voz do meu irmão de volta.

Não foi o filme.

Não foi o xixi.

Não foi a formiga.

Não foi a coceira das picadas de pernilongo.

Não foi a fome.

Não sei o que foi!

Mas desconfio que tenha sido ele.

O consciente, os pensamentos.

Foi a vontade.

A saudade.

A dúvida.

A expectativa.

A ansiedade.

A satisfação.

Foi a alegria.

E foi também a tristeza.

Mas ainda bem que foi.

E foi.

Foi.