domingo, 30 de setembro de 2012

Frequência e intensidade

Disseram-me que preciso fazer, com mais frequência e intensidade, as coisas que mais gosto e que só assim ficaria doente com menos frequência e intensidade.

Pudera eu trabalhar só às quintas-feiras, escolher uma pessoa a cada dia para conversar, fazer nada, comer mais e nunca engordar, nunca pagar contas, ter tatuagens, ter um cachorro que não faz cocô, tampouco late entre meia noite e dez da manhã.

Loucuras a parte eu decidi que vou dormir mais. Comer mais queijo minas, morango, palmito, brigadeiro, quibe e comida japonesa. Que vou sair mais para lugares diferentes e conhecer pessoas diferentes. Que vou ter festa de aniversário todos os anos. Que vou beber mais tequila e menos cerveja. Que vou ter tempo para fazer minhas unhas, me depilar, tratar do meu cabelo e fazer limpeza de pele mais vezes. Que vou ouvir mais rock. Escrever e olhar para o céu.

Disseram-me também que preciso pensar no que gosto e fazer com mais frequência. Sem deixar com que os outros influenciem negativamente os meus planos. E que ao invés de sempre ceder devo sugerir com mais veemência o que quero às companhias que escolher. Só assim saberia quando realmente quero algo com intensidade.

Então, aprendi que cancelar compromissos e desapontar alguém pode ser bom. Ao menos para mim! Aprendi que nem sempre preciso atender o celular e dizer sim. Aprendi a dizer não e só não. Eles que se virem com os motivos! Aprendi também que dividir tarefas com quem sabe menos ou tem menos responsabilidade sob aquilo que você é um intenso aprendizado! E mais! É saudável. Pesa menos...

Entendi que fico angustiada a cada vez que escondo de mim mesma o que é verdadeiro para mim, para ser para alguém. Aprendi que não me escondo mais! Só por conveniência ou gentileza, mas que isso seja com menos frequência! E na intensidade necessária.

Concluí que se fico angustiada, preocupada, ansiosa ou se assumo mais responsabilidades do que preciso, fico também doente.

Decidi que vou cuidar intensamente dos meus joelhos, dos meus ovários, do meu intestino, do estômago, da garganta e de todas as -ites. "É tudo uma questão de manter a mente quieta, a espinha ereta e o coração tranquilo."



Saúde!

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

O que a bebida revela.

Disseram-me que uma pessoa bêbada mostra muito do seu caráter aos outros. Quando bebo fico demasiadamente apaixonada. Toda sensível e romântica... Boba até! Só com três tapas na cara pra voltar ao normal - costumo dizer.

Pão de Açúcar, Zona Sucos, Mureta do Bar Urca, Pavão Azul, Calçadão, Praia de Copacabana, porções de camarão e bolinho de bacalhau... E quer saber qual foi o clímax do último feriado no Rio de Janeiro? Receber uma mensagem no celular que dizia "galooooooo" bem na hora que eu, naquele samba da Casa Rosa, escutava "Vou Festejar" e morria de saudade do Mineirão.

O que isso diz a respeito de mim? Que anseio coisas que delongam a acontecer. E muitas outras que jamais aconteceram e ou acontecerão. Que sinto saudade. E muita!

Vez ou outra quero quebrar telhas na cabeça de alguém! Mordo. Choro. Bato o copo na mesa. Demoro no banheiro. Aperto os pulsos. Jogo o celular pela janela do terceiro andar...

O que isso diz a meu respeito? Que sou impaciente. Que repudio toda e qualquer forma de desrespeito, indiferença e injustiça. Que odeio cair no esquecimento. Que sinto culpa, saudade e vontades que não posso sentir. Que sou desajeitada e por demais ansiosa e, assim, acabo fazendo tudo errado madrugada após outra!

O que a bebida revela sobre mim?