terça-feira, 26 de novembro de 2013

Fisioterapia da alma

Quando estou apaixonada e feliz fico sorrindo, como se alguém fosse bater uma foto minha a qualquer momento. Sinto vontade de me arrumar, me perfumar... Muda a minha postura, o  meu comportamento, o meu olhar, o meu jeito de falar e até de ouvir. Fico otimista e atraente. É que eu me sinto segura, confiante. Bem.

Eu devia estar com um semblante não só sério, de quem estava pensando na vida, mas também triste, sofrido... Muito receosa uma doninha se aproximou, já pedindo desculpas por estar me incomodando, e me pediu para ler um endereço anotado em um pedaço de papel. Ela não sabia, ou não conseguia ler. Estava com o rosto cheio de hematomas, uma sacola que parecia estar muito pesada, sombrinha, unhas não feitas, cabelo mal penteado... Depois de ler o papel e dar-lhe o rumo eu quis perguntar se ela estava passando bem, se eu podia ajudar. Ela também não devia estar muito feliz, mas antes que eu perguntasse qualquer coisa ela me sorriu com seus dentes amarelados. Contente! Agradeceu e me desejou um bom dia depois de dizer "Muito obrigada, Fia! Agora eu consigo me achar. Que Deus também coloque muita alegria no seu caminho."

Eu fui alegria no caminho daquela Senhora. Fiquei contente também. Sorri. Ele tinha me livrado de um pensamento nostálgico e a tristeza com certeza estava estampada em meu rosto.

Quando estou apaixonada e triste eu me desanimo de tudo e de todos. Perco as forças e a esperança para fazer qualquer coisa. Muda a minha postura, o meu comportamento, o meu olhar, o meu jeito de falar e até de ouvir. Fico pessimista, entediante e... doente. É que me sinto injustiçada, largada. Mal.

É assim que eu tenho passado os últimos dias. Eu sei que não esses pensamentos virão para inquietar o meu coração e me trazer tristeza, mas decidi não estampá-la no meu rosto. Não vou irradiar sofrimento. Não vou me desapaixonar, nem parar de sofrer, fato. Não é mágica! Vou é tratar a minha alma. Assim como tenho tratado meu corpo. Fisioterapia da alma.

Hoje decidi que vou fazer o exercício de sorrir toda vez que esses pensamentos vierem. Vou sorrir toda vez que eu pensar em você, Homem! Não se trata de felicidade. É gratidão! É a cura chegando. E isso sim merece ser irradiado. E eu espero, de coração, que chegue aí.

domingo, 24 de novembro de 2013

Quem cala, não sente

Quem cala tem preguiça de dialogar. Te abandona num monólogo.
Quem cala está fraco.
Quem cala não tem argumentos.
Quem só cala não há de ser por sabedoria.
Quem cala não te dá atenção.
Quem cala não merece ouvir. Ou...
Quem só cala vai acabar só ouvindo. E acaba não sendo escutado.
Quem cala ignora.
Quem cala desdenha.
Quem só te cala, merece só o seu silêncio.
Quem cala, não sente.

quarta-feira, 20 de novembro de 2013

Partilha

Na geladeira as bebidas que só você bebe. Eu comprei pra te agradar. Há também o que restou da comida que só você sabe preparar e as comidas em porções pra dois que escolhi pensando em momentos só nossos aqui, pra gente namorar.

No armário, os biscoitos que só você come. Eu queria tornar as suas "manhãs" menos difíceis.

No banheiro, eu evito me apoiar na pia, seja lá qual for a posição. Eu tento virar a sua escova de dentes para a parede, mas ela insiste em me encarar. Isso quando não se enrosca na minha!

Seus chinelos estão no mesmo lugar e os sapatos eu resolvi nem guardar.

O controle do portão da garagem nunca mais dormiu na janela. E os cães do vizinho nunca mais latiram com o seu barulho.

Juninho está sempre ligado. Beto nunca mais saiu da caixa.

O nosso pote de coisas a se conquistar eu não sei se vai ou se fica. Está empoeirado, no mesmo lugar esperando você o notar.

A sua gaveta agora está trancada. Eu quis me prevenir pra que nada saísse de lá.

Nas suas moedas, não toco mais.


No seu lado da cama, livros. São eles que agora fazem a Coruja a companhia que ela merece. Caneta coloridas e aquele mesmo caderno que é para eu escrever o que faltou falar e o que já não precisa mais de ouvidos. No mais, o remanescente remédio para dor, as gotas de sempre e de volta o antidepressivo que preciso engolir todas as manhãs para que a seguinte chegue.

É assim... Certas coisas a gente só engole! E por falar nisso, me comprei água de coco, mas ainda tenho um nó na garganta e não tive coragem de tomar.